Por Hugo Studart
A Natureza é sábia e bela. Forjou o ser humano com cabeça, tronco e membros. Na cabeça, pensamentos, ideias, conhecimentos, sonhos… Quando tomada de esperança no futuro, geralmente a cabeça olha em frente, em direção ao horizonte.
Por vezes, a depender das circunstâncias da caminhada, a cabeça se vira à direita, outras à esquerda, mas é impossível olhar para trás sem virar todo o tronco e correr o risco de perder o rumo e o caminho.
Temos dois braços e duas pernas. Só caminhamos em direção ao horizonte se alternarmos perna esquerda e direita. Enquanto caminhamos, braços direito e esquerdo também se alternam.
Quando em grupo, a depender das circunstâncias, ora nossa mão esquerda aponta para um tipo de caminho. Ora, mão direita aponta para a direção oposta.
Se eu tivesse somente os membros direitos ou esquerdos, seria um deficiente físico. Se olhasse só para um lado, seria um deficiente mental.
Politicamente, se fosse um radical de direita ou de esquerda, seria um aleijado ideológico, talvez caso de hospício.
Dou graças a Deus por ser um ente completo, articulado e flexível, por ter cabeça para refletir, tronco para digerir a Vida e, sobretudo, todos os quatro membros para caminhar adiante, em geral ao centro, ora virando à esquerda, ora à direita, tal qual um rio sinuoso sempre a verter rumo à construção da História.
(Estas palavras foram escritas para querida Ana Carolina de Holleben, que sempre me questiona, e para a amiga Carolina Bastos, que me enviou mensagem tentando entender porque ora eu bato na direita, ora na esquerda, ora no centrão. Espero ter esclarecido).