O fogo é o elemento da natureza que mais se assemelha ao Ser Humano. Nasce do atrito entre dois corpos; precisa ser alimentado para sobreviver; um dia morre. Precisamos aprender a lição do fogo, que mesmo diante da agonia da morte iminente, brilha, dança, aquece, encanta. O fogo é o elemento de maior poder de transformação. Se lançamos uma folha ao vento, ela voa. Se a mesma folha for à água, molha. No fogo, se transforma. O fogo representa o pensamento, mas não como pensamento dos diálogos internos do homem, mas sim como compreensão de uma sabedoria maior. Por isso o estudo tem a mesma capacidade de nos lapidar, transformar e mudar nossa consciência. Assim também é a História: chamas sagradas a lapidar a consciência sobre o mundo.
(Observações que emergem do diálogo espiritual com

Gladis G’nata Studart).