Essa senhora de roupa escura, ladeada do marido, 12 filhos e dois netos, chama-se Elvira Jorte Corrêa. Minha avó. Certo dia meu pai Jonas Alves Corrêa, ainda criança (sentado, sério) a encontra chorando na cozinha de sua casa em Cáceres, Pantanal. Indagou a razão. Ela então lhe entrega uma carta.

“Teu irmão vai pra guerra”.

Meu pai conta que seu irmão Hugo (fardado) escrevera à mãe que cogitava ser um dos Voluntários da Pátria que iriam à Itália lutar contra o nazi-fascismo. E perguntava sua opinião. Na verdade, pedia respeitosamente a benção materna. Sabem qual a resposta dessa mãe, curiosamente, uma simpatizante do capitão Prestes? Escreveu apenas:

“Cumpra teu dever. E que Nossa Senhora da Conceição te proteja”.

Só uma mulher muito honrada e forte escreveria isso a um filho.

Portanto, seus bostinhas desse tal de Antifas, patricinhas e mauricinhos mimados, esquerdofrênicos de boutique, respeitem a memória daqueles milhões mães de soldados de várias nações que tombaram lutando contra o flagelo do nazi-fascismo. Vocês não têm a menor ideia do que é fascismo.

A propósito, Jair Messias Bolsonaro nem de longe é fascista. É somente e tão-somente um líder político com viés messiânico que vem levando à sério essa história de que teria uma missão divina. Talvez um pouco menos que Lula, o líder messiânico de vocês que costuma se comparar a Jesus Cristo — e por vezes se apresenta maior do que Deus. E antes que eu retorne à serenidade, aproveito para enviar  todos vocês, Antifas, à puta que pariu! 

Depois publico a história do tenente Hugo, esse fardado da foto, outro verdadeiro antifascista. A fotografia foi tirada em 1944, quando ele ainda era cadete.